Terra Seca – Quatro Ases e um Coringa

O nêgo tá, moiado de suó
Trabáia, trabáia, nêgo!
Trábaia, trabáia nêgo!

As mãos do nêgo tá que é calo só
Trabáia, trabáia nêgo!
Trabáia, trabáia, nêgo!

Ai! Meu sinhô, nêgo tá véio,
Não agüenta!
Essa terra tão dura, tão seca, poeirenta…

Trabáia, trabáia nêgo!
Trabáia, trabáia, nêgo!

O nêgo pede licença prá falá
Trabáia, trabáia, nêgo!
Trabáia, trabáia, nêgo!
Nêgo não pode mais trabaiá

Quando o nêgo chegou por aqui
Era mais vivo e ligeiro que o saci
Varava estes rios, estas matas, estes campos sem fim
Nêgo era moço, e a vida, um brinquedo prá mim

Mas o tempo passou
Essa terra secou ô ô
A velhice chegou e o brinquedo quebrou

Sinhô, nêgo véio tem pena
De têr-se acabado!
Sinhô, nêgo véio carrega
Este corpo cansado

Nêgo cantou!
Ogum!