Serenata – Silvio Caldas

Dorme, fecha êste olhar entardecente,
Não me escutes, nostálgico, a cantar
Pois não sei se feliz ou infelizmente
não me é dado, beijando, te acordar
Dorme, deixa os meus cantos delirantes
Dorme, que eu olho o céu a contemplar
a lua que procura diamantes
para o teu lindo sonho ornamentar
Na serpente de seda dos teus braços
alguém dorme, ditoso, sem saber
que eu vivo a padecer
E o meu coração feito em pedaços
vai sorrindo ao teu amor
mascarado dessa dor
No teu quarto de sonho e de perfume
onde vive a sorrir teu coração
que é teatro da ilusão
dorme junto a teus pés o meu ciúme
enjeitado e faminto como um cão.