Caboca bonita – Mário Pinheiro

Quando tu passa nus mato, meu bem,
Cantando pulos caminho,
Vai seguindo atrás de ti, meu bem,
Um bando de passarinho.

Ai, caboca bunita,
Mi dá um beijinho!

Quando tu inda vem longe, meu bem,
Eu já di longe adivinho,
Eu sinto istremecê, meu bem,
As corda desse meu pinho.

Ai, caboca facera,
Mi dá um beijinho!

Quando tu samba nus samba, meu bem,
Parece um beija-frozinho,
Qui avoa di frô em frô, meu bem,
Cumo a percura de um ninho.

Ai, caboca dengosa,
Mi dá um beijinho!